cinemacríticaficçaocientificafilmemovie

Crítica | De Volta Para o Futuro, o presente dos Nerds.

Um presente de Natal para os cinéfilos, De Volta Para o Futuro lançado em 25 de dezembro de 1985 é uma um clássico que influenciou muitas outras produções que envolve viagem no tempo.

Um presente de Natal para os cinéfilos, De Volta Para o Futuro lançado em 25 de dezembro de 1985 é um clássico que influenciou muitas outras produções quando o assunto é viagem no tempo.

Eleito o vigésimo terceiro melhor filme da história pela Empire, o filme é considerado referência para superproduções até hoje. Apesar de influenciar, ele também foi influenciado. O filme tem traços do clássico Juventude Transviada, de 1955, dirigido por Nicholas Ray – essa influência é bem destacada na personalidade e nas roupas do protagonista Marty McFly (Michael J Fox).

O filme retrata a experiência de um jovem de dezessete anos que volta para 1955, acaba criando uma confusão, fazendo com que sua mãe se apaixone por ele e não pelo seu pai. Marty McFly vai atrás do Doc (Christopher Lloyd) para ajudá-lo a voltar para 1985. Ele ficou preso no passado porque a máquina do tempo, um DeLorean, é carregado com plutônio. Depois de idas e vindas na trama eles descobrem que um raio iria atingir a torre de um relógio exatamente com a carga necessária para fazer a viagem então o Doc começa a elaborar um plano de como captar 1,21 gigawatts para abastecer o capacitor de fluxo.

Enquanto isso, Marty ajuda o seu pai a conquistar a sua mãe, depois de muitas brigas e tiradas geniais, Marty ajuda George (Crispin Glover) – seu pai – a ganhar auto-confiança, isso acaba influenciando os futuros atos que alteram a linha do tempo. George enfrenta o valentão Biff e salva Lorraine (Lea Thompson), mãe de Marty, o que faz com que eles se apaixonem, essa pequena alteração na linha temporal faz com que George se torne bem sucedido e que Biff seja seu subordinado.

Uma das cenas mais memoráveis é Marty tocando Johnny B. Goode em 1955, um primo criado pela trama liga para Chuck Berry e mostra a musica dizendo “achei aquele som que você estava procurando” – uma linda homenagem ao ícone do rock.

O filme é simplesmente uma obra de arte que ainda pode se tirar uma moral – todos os nossos atos tem consequências, depende de você decidir se elas serão boas ou más.

Nota:

4,5

4,5

O filme é bem trabalhado explicando bem a viagem no tempo, merecendo todos os prêmios que recebeu.

Mostrar mais

Notícias relacionadas

Deixem seus comentários!

Fechar