Crítica | Star Wars: Os Últimos Jedi, surge uma última e nova esperança na galáxia

Star Wars: Os Últimos Jedi não somente salienta os conflitos e desafios do Lado da Luz com o Lado Negro, mas seu foco central e principal neste longa é sobre as gerações.
Compartilhe:



A franquia Star Wars vem com uma nova geração desde de Star Wars: O Despertar da Força (2015), trazendo as últimas esperanças da existência Jedi que ainda resta na galáxia. Agora em Star Wars: Os Últimos Jedi, neste oitavo filme da franquia, questões deixadas do filme anterior, são relativamente respondidas neste filme. Mas ainda assim deixam incertezas que podem tomar novos rumos. 


Após Rey ir ao encontro do mestre recluso Luke Skywalker (Mark Hamill) em uma ilha isolada, a jovem busca entender como lidar com a Força a partir dos ensinamentos do mestre Jedi. Ao mesmo tempo, o Primeiro Império de Kylo Ren (Adam Driver) se reorganiza para enfrentar a Aliança Rebelde através das ordens do Supremo Líder Snoke, ambos com o ideal – acabar de uma vez por todas a esperança na galáxia e a existência dos últimos Jedi.

Star Wars: Os Últimos Jedi não somente salienta os conflitos e desafios do Lado da Luz com o Lado Negro, mas seu foco central e principal neste longa é sobre as gerações. Desde de O Despertar da Força, a nova geração foi apresentada de uma forma mais redonda, ao mesmo tempo, os anteriores são representados como os sábios, os orientadores, as lendas, mantendo um respeito, uma honra para todos tanto aos personagens da trama como para o próprio elenco.


A grande frase que resume bem esta sequência dita para o mestre Luke Skywalker que "O fracasso é o melhor professor", específica bem os conflitos gerados no passado, que agora atingem o futuro, e é neste futuro que está a chance de consertar ou pelo menos tentar os fracassos, os erros do passado.  


Luke Skywalker e a General Leia (Carrie Fisher) mesmo diante do cansaço, arrependimento dos seus fracassos e erros cometidos no passado, mas que ainda sim acreditam e mantém a esperança até o último momento, e é nisso que Rey (Daisy Ridley) e todos os outros Rebeldes tentam fortalecer e agarrarem. Tudo ainda está meio indefinido para a nova geração, Rey e Kylo Ren não sabem se realmente são Jedi, Finn (John Boyega), Poe Dameron (Oscar Isaac) e a Aliança Rebelde ainda se vê muitas vezes despreparados para enfrentar o Império, e são nos fracassos, que os ensinamentos que quase é um tapa na cara de todos eles, vem ensina-los.



Com certeza nunca se viu em toda a franquia um ar mais cômico e sentimental tão acentuado, alguns momentos esses elementos não prejudicam a trama, mas outros sim e são até meio desnecessários. Para quem acompanha a franquia e é fiel a ela, isso pode incomodar um pouco, mas de uma certa forma é bacana ver um pouco do lado sentimental e cômico da franquia. Que aliás os momentos cômicos são um dos melhores e bem introduzidos.


Todos os momentos que contém a presença dos mais sábios são uma verdadeira e sutileza homenagem, tanto um grande e eterno respeito a eles. Mark Hamill e a eterna Carrie Fisher retornam de uma forma gloriosa, linda e inesquecível. 


Novos elementos que foram apresentados neste longa e que não tinha aparecido em quaisquer outros filmes da franquia, foi o surgimento de novas e incríveis espécies animais, e também sobre novos poderes tanto da nova geração dos Jedi como também dos anteriores, que até então eram desconhecidas. Também a presença de inúmeros cenários e naves produzidos destacam neste volume. Efeitos especiais e principalmente fotografia é uma das mais bem desenvolvidas até agora de toda a saga.


O diretor Rian Johnson mesmo não ter dito ligação nenhum anteriormente a franquia, preservou perfeitamente os traços tradicionais e originais na produção. Alguns aspectos que ainda estão e provavelmente não serão ou não tão cedo esclarecidos nesta nova fase, é algo que incomoda um pouco, aspectos estes que daria mais sentido a certas razões geradas na trama.

Star Wars: Os Últimos Jedi irá de deixar apreensivo, empolgado com o que está acontecendo e com o que está por vir, e também emocionado (principalmente para os fãs e que gostam muito da saga) com momentos épicos presentes neste filme. Como diz o título dessa crítica, através dos últimos jedi que surgirá uma nova esperança na galáxia.

Nota: 4.5/5.0



 
Compartilhe:

adamdriver

carriefisher

cinema

critica

daisyridley

disney

filme

markhamill

movie

starwars

starwarsosultimosjedi

Comente!

0 comments: