News

Crítica | Uma Razão para Viver, a primeira e linda produção do cineasta Andy Serkis


Uma Razão para Viver vem dar as boas vindas ao novo diretor Andy Serkis. O ator britânico e cineasta já provou que seu talento é inesgotável. Conhecido pelo seu grande talento com personagens em computação gráfica como Gollum da franquia O Senhor dos Anéis, Caesar da franquia Planeta dos Macacos e agora como o Supremo Líder Snoke em Star Wars: O Despertar da Força e Os Últimos Jedis. Serkis estrela em sua primeira produção composta pelo elenco principal com os atores Andrew Garfield e Claire Foy, em uma história emocionante, tocante e linda.

Andrew Garfield e Claire Foy. Foto: Diamond Films.

Baseado em uma história real. No ano de 1958, Robin Cavendish (Andrew Garfield), carismático e aventureiro comerciante britânico conhece a jovem e linda Diana (Claire Foy), um amor à primeira vista que logo se casam. De repente a vida o surpreende com uma doença avassaladora que o paralisa chamada de poliomielite contraída em viagem de trabalho a África. Diana Cavendish sua esposa grávida do primeiro filho, escuta dos médicos que ele jamais sairá da cama e não deverá viver muito tempo. Deprimido por não mover nada abaixo da cabeça, Robin inicialmente deseja morrer, mas o inabalável amor de Diana o faz olhar de outra maneira a vida.

O filme pode parecer uma história semelhante A Teoria de Tudo (2015) ou Como Eu Era Antes de Você (2016) mas a forma como toda a drama é encarada é totalmente diferente. Ela traz sim a realidade da doença desmoronando a família e principal a Robin, mas a força, a esperança e o otimismo é o que rege a história. O ato de fazer a diferença independe dá condições impostos, o dar valor a cada momento da vida é a principal mensagem que o filme e a história querem mostrar. E é nisso que Andy Serkis com os atores Andrew e Claire conseguem passar de uma forma profunda, linda e emocionante.


Andrew Garfield como Robin Cavendish arrasa em mais uma atuação dramática, mas ainda sim com muito carisma que o própria Andrew tem. Mesmo sendo um personagem com tantas limitações em quase toda a parte da trama em questões de movimentos, tendo apenas as emoções faciais e sua fala como forma de demonstrar todos os sentimentos do personagem, foi um grande desafio ao ator, que conseguiu passar tudo que o personagem necessitava retratar. 


Claire Foy como Diana Cavendish, mostrou uma esposa forte de garra, mas que ao mesmo tempo manteve sua doçura e delicadeza. A esperança e otimismo que ela carrega até nos momentos mais difíceis, fazem todos a sua volta mantivessem fortes junto com ela (inclusive nós). Além dela, o apoio retratado dos amigos, familiares foram o que terão todo o alicerce.

O filme também retrata a invenção das cadeiras de rotas, que foi uma nova forma de viver para as pessoas paralisadas das prisões nas quais os médicos acreditavam que teriam as melhores condições de vida. 


Hugh Bonneville interpretando o amigo de Roby e inventor Teddy Hall. Foto: Diamond Films.

A produção do filme é encantadora, a fotografia..é um detalhe que particularmente achei lindo no começo do filme que remete a uma produção de anos 80 e 90, dá um toque único no filme. Uma curiosidade é que Jonathan Cavendish, o filho verdadeiro de Robin, na vida real, atuou como o produtor do filme auxiliando juntamente com Andy Serkis na produção.

Elenco de Uma Razão para Viver com o produtor e filho na vida real de Robin, Jonathan Cavendish.

Uma Razão para Viver
é uma história que te faz emocionar muito, rir e pensar de uma forma diferente aos obstáculos da vida. E só de saber que é produção de um dos atores mais talentosíssimo do cinema Andy Serkis, já vale a pena conferir. 

Nota:




Nenhum comentário